FALE CONOSCO

Entre em contato com a JK Capital. Ligue-nos ou preencha o formulário abaixo.

Av. Nove de Julho, 4939 - 1º Andar - Conj. 14A São Paulo - SP - BraSil - 01407-100

contato@jkcapital.com.br

+55 11 5184-6970

TRABALHE CONOSCO

Valorize o seu conhecimento e experiência profissional. Faça parte da nossa equipe!

ENVIE SEU CV

Antes da reunião do FED, especialistas apostam em novo adiamento de retirada de incentivos

18/12/2013

 

 

Expectativa da decisão do banco central americano, porém, já se reflete na alta da cotação do dólar frente ao real.

 

 

A reunião do Federal Reserve (Fed), banco central do Estados Unidos, pode confirmar nesta quarta-feira a retirada de incentivos que vinham sendo injetados no mercado daquele país. Após a crise financeira de 2008, o Fed vem comprando mensalmente US$ 85 bilhões em títulos da dívida do governo, dinheiro que acaba sendo investido em outros países. Na prática, especialistas consideram baixa a probabilidade de que a medida seja tomada nesta reunião:

 

– Achamos que isso vá acontecer mais para o começo do ano, no primeiro trimestre. Existem condições que viabilizam a tomada de decisão agora. O Obama se comprometeu a decidir isso esse ano, então pode fazer prevalecer sua promessa. Mas a maioria do mercado acha que isso vem no primeiro trimestre – avalia o economista e diretor executivo da NGO, empresa especializada em câmbio, Sidnei Moura Nehme.

 

Dilma Rousseff tenta tranquilizar mercado em dia de expectativa

 

De qualquer maneira, a certeza é de que, se não agora, até março a medida deve ser aprovada. Sendo assim, os impactos na economia mundial e brasileira já podem ser sentidos antecipadamente. Sem os incentivos, menos dólares circulam nos mercados emergentes, o que desvaloriza moedas como o Real. A consequência é um possível enfraquecimento do mercado nacional, além de uma alta no preço do dólar – que atualmente circula entre os R$ 2,33, mas já chegou a R$ 2,45. Nehme avalia que a cotação da moeda pode chegar a R$ 2,50 ao final do primeiro trimestre de 2014 e até R$ 2,60 ao final do próximo ano.

 

– O Banco Central tem conseguido, com seus instrumentos, conter. Mas quando a medida se tornar efetiva, a pressão será maior e, naturalmente, teremos dólar alto – prevê.

 

Segundo José Kobori, estrategista da JK Capital, o ajuste das taxas já começou a ser feito diante da expectativa da retirada dos incentivos nos Estados Unidos e pelo fortalecimento daquela economia:

 

– O movimento de saída de dólares já começa a ser percebido e é natural. Não só por causa da lei de oferta e procura, mas porque a economia americana começa a gerar atividade e se torna mais atrativa – explica.

 

Kobori avalia que, em meados de 2013, quando foi anunciada a nova presidente do Fed, Janet Yellen, o impacto na taxa cambial já foi percebido.

 

– Uma parte dos dólares que iriam embora já foram – diz.

 

Na manhã desta quarta-feira, a presidente Dilma Rousseff fez coro ao Ministro da Fazenda Guido Mantega e tentou tranquilizar o mercado, dizendo que o Brasil está “extremamente preparado para quando o Fed começar a reduzir os estímulos”. Os economistas ouvidos por ZH não concordam com as afirmações dos membros do governo e preveem um futuro menos tranquilo para a economia do país:

 

– Quando se projeta um déficit de transações correntes de US$ 78 bilhões para o ano que vem, se vê que não devemos ter conforto no câmbio. É um número de largada muito grande, a projeção contradiz o discurso – explica.

 

O economista diz ainda que a retirada de dólares dos países emergentes afeta principalmente o Brasil, que “está mais vulnerável” e “reúne pouca atratividade’. As causas, segundo ele, são problemas na política fiscal, gastos em ano eleitoral e investimento baixo. Nehme é corroborado por Kobori:

 

– Acredito que o Brasil não tem recursos (para enfrentar a retirada de incentivos). O Ministro da Fazenda não sabe do que está falando e o mercado não acredita no que ele fala. Quando se olha os parâmetros da economia brasileira nesse governo, se percebe que é complicado.

 

ZERO HORA

Veja notícia também em http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/economia/noticia/2013/12/antes-da-reuniao-do-fed-especialistas-apostam-em-novo-adiamento-de-retirada-de-incentivos-4368370.html

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Destaques

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Notícias Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square